UM POR TODOS E TODOS POR UM

Câmara Municipal de Mossoró (Foto: cedida)

Por Emerson Linhares*

O título deste despretensioso artigo possivelmente remeta o leitor, leitora, em suas reminiscências – e essa será mesmo a intenção -, para as famosas figuras de Arthos, Porthos, Aramis e d´Artnagan que, apesar de ser um quarteto, deram fama a obra de Alexandre Dumas como Os Três Mosqueteiros, publicada em 1844.
A famosa frase un pour tous, tous pour um, na língua do Cardeal Richelieu, inimigo figadal dos mosqueteiros, é na verdade um lema que reforça o sentimento de amizade, companheirismo, lealdade, coesão.
Livros e filmes de capas e espadas a parte (lembrei dos meus tempos de Sessão da Tarde), quero apenas me valer do lema em tela e sobretudo da palavra “todos” para escrever sobre um embate (sem duelo com espadas, mas linguística) que aconteceu na Câmara Municipal de Mossoró, semana que passou, conforme relatou o amigo Erasmo Carlos Firmino, o Tio Colorau, em sua página no Facebook, a quem peço permissão para reprodução parcial:

“A mais nova polêmica na Câmara Municipal de Mossoró envolve o uso do pronome indefinido TODO. Alguns vereadores entendem que a frase “Bom dia a todos” inclui a integralidade dos componentes daquela augusta casa; para outros, a expressão politicamente correta é “bom dia a todos e a todas”. Em sessão havida esta semana houve uma pequena contenda envolvendo tal questão.
Eu enxergo neste assunto um viés objetivo, que seria a aplicação da regra gramatical pertinente; e um viés subjetivo, que envolve a afirmação do feminismo.
Gramaticalmente, claro que o pronome indefinido todo engloba o conjunto dos vereadores. As edis, no entanto, querem o uso de “todas” para reforçar a presença feminina, mesmo o uso sendo desnecessário. (..)”

Como bem diz Erasmo, o correto na forma gramatical é “todos”, pois engloba os vereadores e vereadoras. Mas a polêmica é justamente porque as “vereadoras” - que se candidataram ao cargo de “vereador”, vale lembrar -, querem esse reforço de presença feminina quando do cumprimento inicial dos edis em suas falas e discursos: bom dia, boa tarde...
No post de Erasmo houve uma enxurrada de comentários negativos pela postura em prol do politicamente correto pois entende a opinião pública que há assuntos mais urgentes e mais sensíveis a TODOS, cidadãos e cidadãs mossoroenses, o que é uma verdade inominável.
Os vereadores são cobrados por seus eleitores diariamente seja no rádio, na TV ou nas redes sociais sobre os mais diversos problemas que afligem ruas, bairros e a zona rural,
No fim, não será o não-emprego da palavra “todas” que apagará as conquistas das vereadoras no Legislativo mossoroense. Jamais! O que se espera a partir de agora é que o lema dos espadachins fictícios de Dumas passe a estar presente para que haja amizade, lealdade e companheirismo no intuito de que os 21 vereadores estejam atentos ao múnus público.

Então, Unus pro omnibus, omnes pro uno... E aqui fica meu respeito a todos (e a todas)!

*É diretor de Jornalismo na Rádio Difusora de Mossoró, bacharel em Direito e aluno de Pós-Graduação em Direito Previdenciário da Universidade Potiguar (UnP)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca