MORRE MARCELO YUKA: SÍMBOLO DA LUTA CONTRA A VIOLÊNCIA


Autor de sucessos como “Minha Alma – A Paz que eu não Quero”, Marcelo Yuka, fundador do Rappa, morreu, às 23h40 de ontem sexta-feira, aos 53 anos.

Ele sofreu um acidente vascular cerebral.
Estava internado no Rio por causa de uma infecção generalizada, e na madrugada do dia 4 de janeiro entrou em coma induzido.
Em 2000, Yuka baleado em um assalto no Rio que o deixou paraplégico. A saúde do baterista vem se deteriorando desde agosto de 2018.

Marcelo é aquele tipo que pessoa rara que transforma uma tragédia numa inspiração: afinal, a violência o transformou um ativista pelos direitos humanos.

Lutou também a favor das pesquisa a favor de pesquisas com células-tronco.
Ajudou de entidades como a FASE (Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional do Rio de Janeiro), , e a B.O.C.A. (Brigada Organizada de Cultura Ativista), levava cultura para presos.



Trechos de músicas de Marcelo Yuka

As grades do condomínio

São pra trazer proteção

Mas também trazem a dúvida

Se é você que tá nessa prisão

Me abrace e me dê um beijo

Faça um filho comigo

Mas não me deixe sentar na poltrona

No dia de domingo

Procurando novas drogas de aluguel

Neste vídeo coagido

É pela paz que eu não quero seguir admitindo

“Minha alma (a paz que eu não quero)”

É mole de ver

Que em qualquer dura

O tempo passa mais lento pro negão

Quem segurava com força a chibata

Agora usa farda

Engatilha a macaca

Escolhe sempre o primeiro

Negro pra passar na revista

Pra passar na revista

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.