Presidente da Câmara abre processo de impeachment de Trump


Donald Trump será submetido a um processo de impeachment pelo Congresso americano, anunciou nesta terça-feira, 24, a democrata Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados. Antes cautelosa em relação à abertura do procedimento, Pelosi se viu pressionada pela base de seu partido depois das recusas sucessivas de Trump e de seu governo em prestar informações ao Congresso sobre denúncias de abuso de poder.

“O presidente viola a Constituição dos Estados Unidos, especialmente quando diz que pode fazer o que quer”, afirmou Pelosi, que acentuou ter Trump traído a integridade da Carta Magna do país.

Trump será o quarto presidente dos Estados Unidos submetido a um processo de impeachment. O mais emblemático caso foi o do republicano Richard Nixon, que renunciou antes da conclusão dos procedimentos, em 1974. O democrata Bill Clinton sobreviveu ao processo, em 1999, assim como James Buchanan, em 1860, e Andrew Johnson, em 1868.

O estopim foi a recente pressão de  Trump sobre o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, para que investigasse negócios em sue país do ex-vice-presidente americano Joe Biden, pré-candidato democrata à Casa Branca em 2020, e de seu filho. Em troca, o líder dos Estados Unidos havia  prometido liberar ajuda militar de 250 milhões de dólares a Kiev, que pouco antes havia oportunamente congelado.

Em um primeiro momento, a Câmara votou na tarde desta terça-feira uma resolução de condenação a Trump por ter se valido de suas atribuições de política externa para obter ganhos eleitorais. O republicano concorre à reeleição, no ano que vem, e Biden se mantém como seu potencial adversário nas pesquisas eleitorais. Em seguida, Pelosi colocou em votação a criação do comitê especial para tratar do impeachment.

Em meio aos discursos e encontros bilaterais nas Nações Unidas, Donald Trump, tentou abortar a iniciativa dos democratas ao anunciar que disponibilizará ao público a transcrição completa da conversa por telefone que manteve com Zelensky.

Estou neste momento nas Nações Unidas representando nosso país e autorizei a divulgação da transcrição completa e sem alterações da minha conversa por telefone com o presidente da Ucrânia, vocês vão ver que foi uma conversa apropriada e amigável”, informou  pelo Twitter.

O debate sobre o impeachment de Trump havia perdido força após a divulgação do relatório final sobre a interferência russa na campanha republicana de 2016, mas voltou aos holofotes com o vazamento à imprensa da conversa de Trump com o presidente ucraniano.

A presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosy: limite de paciência superado – 24/09/2019 (Tom Brenner/Reuters)

A investigação gira em torno da suposta participação de Hunter Biden em um esquema de corrupção na empresa energética ucraniana Burisma, quando integrava o quadro de funcionários. Em 2014, Joe Biden teria pressionado o então líder da Ucrânia Petro Porosheko a demitir o procurador que estava encarregado no caso. Caso contrário, cortaria a ajuda financeira  americana ao Exército da Ucrânia, que enfrentava na época uma insurgência separatista no leste de seu território apoiada pela Rússia.

Biden endossou a proposta de impeachment de Trump em discurso nesta terça-feira no estado de Delaware. “Ele não tem outra escolha senão ser impedido”, afirmou. “Se nós permitirmos um presidente escapar retalhando a Constituição dos estados Unidos, isso vai repercutir para sempre”, completou.

O pré-candidato democrata à Casa Branca e ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden: ‘Trump não tem outra escolha senão ser impedido’ – 24/09/2019 (Olivier Douliery/AFP)

Segundo o ex-vice-presidente, Trump tem de parar de emparedar todas as investigações sobre seus alegados atos ilícitos e entregar as informações requeridas legalmente pelo Congresso sobre suas ações. “Se o presidente não concorda com esta demanda do Parlamento, ele continua a obstruir o Congresso e a escapar da lei. Donald Trump não deixará ao Congresso outra opção, na minha opinião, que iniciar o impeachment”, afirmou. “Isso seria uma tragédia. Mas uma tragédia gerada por ele mesmo.”

As chances de aprovação do impeachment de Donald Trump pelo Senado americano, onde a maioria é republicana, são praticamente nulas. Ainda assim, o processo aberto pela Câmara deverá provocar estragos na campanha de reeleição do presidente americano em 2020 – e os democratas contam com isso.

Via Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca