No Chile, vitrine de Paulo Guedes, 85% não podem pagar pela saúde


Exemplo de avanço econômico na América do Sul, o Chile viveu nesta semana o apogeu nos protestos contra o custo de vida e a alta desigualdade.

Neste sábado, 26, sob forte pressão da classe média, o presidente, Sebastián Piñera, pediu para que todos os ministros de seu governo entreguem seus cargos.

Piñera disse que fará uma ampla reforma política, diminuindo os cargos da administração pública e modificando a política econômica do país, que ainda segue as diretrizes elaboradas pela ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

O caminho será longo. Menos de 15% da população tem acesso à saude de qualidade. Em entrevista a VEJA, o professor Dante Contreras, do Departamento de Economia e Negócios da Universidade do Chile e investigador do Centro de Estudos de Conflito, conta que apesar da melhoria na vida da classe média, a desigualdade não cede. Leia abaixo a entrevista completa.

Por que o Chile, visto como exemplo de modernidade, mergulhou no caos?

O Chile não é moderno como se acredita. Ele tem setores de sua economia e da sociedade que são modernos, mas também áreas extremamente atrasadas. Um país com alta segregação na educação, na saúde e no seu território não pode ser definido como moderno.

Qual é o nível de desigualdade que existe hoje no Chile? Ela piorou com relação ao passado?

O Chile está na média de desigualdade da América Latina, que é a região mais desigual do mundo. Então é um país de alta desigualdade. Quando você o compara a outros países da OCDE, você se dá conta que é o pior nesse grupo. O 1% mais rico da população concentra 25% da riqueza. Com relação a tendencia da desigualdade, o que observados é que ela está estável. É do tipo estrutural, ou seja, muito difícil. de ser combatida politicamente. É algo que acontece também nos países vizinhos, como o Brasil.

Qual é a situação da classe média?

O que acontece no Chile é que a população é muito suscetível a cair na pobreza. Observamos que existe uma oscilação muito grande entre a classe média e a classe baixa, o que demonstra vulnerabilidade. Basta acontecer um problema familiar, a perda do emprego, ou problema de saúde para a perda do poder aquisitivo acontecer.

Qual é a situação dos sistemas de saúde e de pensão, apontados como injustos.

O sistema de aposentadorias é extremamente depende do mercado de trabalho. Quando o salário cai, os depósitos que financiam sua futura pensão são impactos. O que torna o sistema refém da oscilação do emprego. Os baixos salários chilenos também são um fator de perpetuação da pobreza. Como a pessoa poupa um valor pequeno ao longo da vida, acaba juntando muito pouco para a aposentadoria.

E o sistema de saúde? Como ele funciona?
Ele segue a lógica da extrema segregação. Quem tem dinheiro tem à disposição hospitais  e médicos de primeiro nível. Mas isso representa cerca de 15% da população.  Os 85% restantes utilizam o sistema público, deficitário, que não conta com recursos suficientes.

Por que o custo de vida é tão alto no Chile?

Isso é outro resultado da desigualdade. A parcela que vive muito bem não se importa de pagar caro, o que pressiona os preços. Como os salários em geral não são altos, isso impacta a vida das pessoas. Além disso, o custo de moradia subiu muito.

O que deve acontecer nas próximas semanas?

É bem difícil fazer um prognóstico, mas o governo deverá trabalhar fortemente numa agenda social mais generosa. Mas não sei se chegaremos a um acordo nacional. É difícil de dialogar, resolver a situação estrutural do Chile.

Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca