Potiguares têm maior expectativa de vida do Norte e Nordeste, diz IBGE


Em média, os potiguares nascidos em 2018 terão uma expectativa de vida de 76,2 anos, segundo dados da tábua completa de mortalidade para o Brasil, divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Embora esteja numa média muito próxima à nacional (76,3 anos), o estado teve a maior expectativa das regiões Norte e Nordeste.

A expectativa de vida dos potiguares chega a ser cinco anos maior que a dos maranhenses, por exemplo, que têm média de 71,1 anos de expectativa - a menor entre os estados nordestinos e de todo o país. Veja os dados dos estados nordestinos na tabela abaixo.


Apesar de ter o melhor resultado entre os estados do Norte e Nordeste, o Rio Grande do Norte não está entre os primeiros no país, ocupando apenas a nona colocação. A maioria das unidades federativas com melhores expectativas de vida está nas regiões Sul e Sudeste. A população de Santa Catarina, por exemplo, tem uma expectativa 3,5 anos maior que a dos potiguares.

Acima do Rio Grande do Norte estão: Santa Catarina (79,7), Espírito Santo (78,8), São Paulo (78,6), Distrito Federal (78,6), Rio Grande do Sul (78,3), Minas Gerais (77,7) Paraná (77,7) e Rio de Janeiro (76,8).

Mulheres vivem mais

O estudo ainda apontou uma diferença de 8 anos entre as expectativas de vida dos homens e mulheres potiguares. Elas viverão em média 80,2 anos, enquanto eles, 72,2 anos. A discrepância entre os sexos acontece em todo o país, porém a média nacional é de 7,1 anos de diferença. Em Alagoas e na Bahia, a diferença ultrapassa os 9 anos.

Ainda de acordo com o estudo, o potiguar que completou 65 anos anos de idade de 2018, tem expectativa de vida de 83,8 anos. No caso dos homens, a média é de 81,8. Já as mulheres, 85,4.

A esperança de vida de quem tinha 60 anos no ano passado era de viver mais 22,5, sendo 20,3 para os homens e 24,4 para as mulheres.

Mortalidade infantil

A população do Rio Grande do Norte poderia ter uma expectativa de vida maior se a mortalidade infantil fosse menor. Conforme o estudo, no ano passado, a probabilidade de uma criança morrer antes de completar um ano é de 13,5 para cada mil nascidos vivos. A média nacional é de 12, 4. Já no Espírito Santo, que tem a menor probabilidade, são 8,1 mortes para cada mil nascidos.

Com conteúdo G1RN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca