Quem é e onde vive o porteiro do condomínio de Bolsonaro

SOB HOLOFOTE – “Seu Alberto”: o condomínio preferiu afastá-lo do serviço até a poeira baixar (Reginaldo Teixeira/.)

Autor das declarações que envolveram o presidente no caso Marielle Franco, ele vive em uma área controlada pela milícia

Por Leandro Resende e Sofia Cerqueira
Publicado em 8 nov 2019, 06h02

O porteiro mais famoso do Brasil mora em um sobrado com o revestimento de concreto à mostra na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Ele se chama Alberto Jorge Ferreira Mateus e vive no bairro de Gardênia Azul, fincado em área dominada por milícias na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Leia a reportagem completa de VEJA.

Alberto, ou Beto, como é conhecido pelos amigos e familiares, ficou famoso ainda sem nome na última semana de outubro, quando o Jornal Nacional divulgou seus depoimentos à Polícia Civil do Rio afirmando que no dia do assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, um dos acusados pelo crime, o ex-policial militar Élcio Queiroz, parou na cancela do condomínio em que ele trabalha, o Vivendas da Barra.

É o local onde vive o outro acusado do crime, Ronnie Lessa, e o presidente Jair Bolsonaro. À polícia, Beto contou que Queiroz disse que ia à casa 58, onde vive Bolsonaro, então candidato à Presidência. A versão caiu por terra em menos de 24 horas.

VEJA localizou Alberto Mateus no fim da tarde de segunda 4. Assim que a reportagem se identificou, Mateus se limitou a responder: “Eu não estou podendo falar nada. Não posso falar nada.” Em seguida, virou as costas e fechou a porta.

Na rua da Gardênia Azul onde Alberto Mateus mora com a mulher há 32 anos e onde criou o casal de filhos, ninguém dá palpite sobre o motivo que o teria levado para o olho de um furacão. O bairro fica próxima à favela da Cidade de Deus e é reduto das milícias que atuam na Zona Oeste carioca. O local já estava no radar dos policiais que investigam o assassinato de Marielle porque há indícios de que um dos manda-chuvas ali seja justamente Ronnie Lessa, acusado de dar os tiros que mataram a vereadora.

Veja matéria completa na revista Veja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca