Cientistas desaconselham governos do NE a usar cloroquina contra Covid-19

Comprimidos de cloroquinaImagem: Foto: HeungSoon/Pixabay
Boletim do comitê científico do Consórcio Nordeste divulgado hoje e assinado por 11 cientistas de vários estados desaconselha os nove governadores da região a usar cloroquina ou medicamentos que não tenham eficácia comprovada contra a covid-19.

O grupo de cientistas — coordenados pelos pesquisadores Miguel Nicolelis e Sergio Rezende — reitera que não é recomendado o uso desses remédios experimentais "em qualquer fase da infecção produzida pelo coronavírus".

"Estudos clínicos em múltiplos países demonstram, categoricamente, a inexistência de qualquer efeito terapêutico destes medicamentos e o gravíssimo risco de morte súbita por parada cardíaca irreversível", diz.

Ainda segundo o boletim, a principal referência veio do "maior instituto de pesquisas do mundo, o National Institute of Health (NIH), que anunciou na última quarta-feira [22] que estes medicamentos não devem ser usados em pacientes com coronavírus.

"Ainda seguindo recomendações do NIH, o Comitê reafirma que só devem haver exceções para possíveis estudos clínicos randomizados que sigam todos os procedimentos dos comitês de ética locais."

Outras medidas

Ainda no 5º boletim divulgado pelo grupo, os cientistas orientam que, diante da cada vez mais real lotação das UTIs (Unidades de Terapia Intensiva), os respiradores de salas de cirurgias sejam usados para atender pacientes da covid-19.

Também é recomendado que "anestesistas experientes sejam recrutados para auxiliar intensivistas na tarefa de adaptar esses ventiladores de salas cirúrgicas para esta nova finalidade emergencial."
O comitê pede a criação de um programa de desinfecção de lugares públicos, de veículos de carga e de veículos de passeio "por meio de processo de sanitização preventiva em pontos da cidade com maior circulação pública, com adoção de cuidados específicos para não submeter as pessoas aos efeitos adversos de produtos químicos".
O grupo de cientistas ainda sugere mais investimentos em pesquisas com aportes adicionais de recursos para financiar editais ou chamadas públicas para os grupos de pesquisa já existentes ou aptos "de novos produtos, serviços e processos por meio de encomendas tecnológicas às universidades, institutos de ciência e tecnologia, empresas de base tecnológica, startups e outros".

Para isso, é sugerida a criação de um Fundo do Nordeste para Fomento à Ciência e Desenvolvimento Tecnológico — o FNCD — para recebimento de recursos de origem privada, pessoas físicas, emendas parlamentares, aportes governamentais e transferências de agências internacionais e governos estrangeiros.


Com conteúdo G1

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.