Bolsonaristas investigados nas fake news tentam “driblar” a PF nas redes


Caso do Comandante Winston Lima, excluído de um grupo monarquista para evitar que fosse rastreado

Por Evandro Éboli

29 maio 2020, 11h05 - Publicado em 29 maio 2020, 10h20

Os bolsonaristas investigados no inquérito das fake news do STF seguem com suas redes de proteção mesmo após o estouro de vez do escândalo com a operação da última quarta-feira.
Apontado como um dos financiadores do esquema que dissemina o ódio e os ataques a ministros do  tribunal, o Comandante Winston Lima é um desses acobertados.

Logo que ele avisou nas redes que havia sido alvo da Polícia Federal, um grupo de zap bolsonarista, monarquista do Distrito Federal, excluiu seu contato na rede.
“Removi o Winston do grupo para a Polícia Federal não monitorar”, avisou o administrador do grupo.

Depois da ação, Winston foi para sua rede ironizar a ação.
“Estão querendo investigar se financio as manifestações da direita conservadora, quebraram meu sigilo bancário e fiscal, mas mal consigo pagar minhas contas no fim do mês. Quando olharem meu saldo e minhas movimentações bancárias vão querer fazer um depósito rsrsrs”, brincou o investigado Winston Lima.

Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca