Brasil ultrapassa marco de 10.000 mortes por coronavírus


De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, publicado neste sábado,9, o Brasil tem 10.627 mortes e 155.939 casos confirmados por coronavírus. São 730 óbitos e 10.611 casos registrados nas últimas 24 horas. Entre os óbitos, apenas 234 aconteceram nos últimos três dias. Aós superar a barreira dos 10.000 mortos, o país ocupa o sexto lugar no ranking de países com o maior número de mortes por Covid-19 no mundo, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos.

O Brasil está atrás apenas dos Estados Unidos, que lideram o ranking com 78.618 mortes; seguido do Reino Unido (31.662 óbitos), Itália (30.295), França (26.313) e Espanha (26.299). Em relação ao número de casos, o Brasil ocupa a 8ª posição no ranking. Também neste caso, a lista é liderada pelos Estados Unidos, com 1.305.544 casos. Em seguida está a Espanha (222.857 casos confirmados), Itália (218.268), Reino Unido (216.525), Rússia (198.676), França (176.782) e Alemanha (171.324).

A marca de 10.000 mortos foi batida 74 dias após a confirmação do primeiro caso. Os Estados Unidos, cujo primeiro caso foi confirmado mais de um mês antes, em 22 de janeiro, demoraram um dia a menos para atingir a mesma taxa. Até agora, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, a Itália é o país que superou a marca das 10.000 mortes em menor tempo: 58 dias. Em seguida, veio a Espanha (62 dias), Reino Unido (71 dias) e França (75 dias).

Um estudo publicado recentemente pela Universidade Imperial College London, na Inglaterra, estima que o Brasil tem a maior taxa de transmissão (chamada de R0) do novo coronavírus no mundo. De acordo com a pesquisa, a taxa de transmissão do país (chamada de R) é de 2,81. Isso significa que no Brasil, cada infectado transmite o vírus para cerca de outras três pessoas. Quanto mais alto esse valor, maior a velocidade de transmissão da doença e maior o risco de sobrecarga no sistema de saúde. De acordo com especialistas, medidas de relaxamento de quarentena devem ser adotadas apenas por países com R (taxa de transmissão) menor do que 1. Fazem parte dessa lista Alemanha, cuja taxa é de 0,8, e Grécia, que tem a menor taxa entre os países analisados, com 0,41. Ou seja, o Brasil está longe disso no momento.

Enquanto o número de casos e óbitos continua a avançar em um ritmo acelerado, o Brasil vive uma quarentena em descompasso, como mostra a reportagem de capa de VEJA desta semana. A discórdia sobre o isolamento social, que opõe o presidente a boa parte dos governadores, fez do país um campeão mundial de bagunça no enfrentamento da doença e o colocou em uma encruzilhada na qual nem as atividades econômicas funcionam, nem o avanço do novo coronavírus é combatido corretamente. Depois de um começo promissor em março, a média de respeito à quarentena em território nacional vem caindo ao longo das semanas e, na terça passada, 5, o índice de adesão bateu em 42,4%, segundo dados da Inloco, plataforma de geolocalização que coleta informações de uma base de 60 milhões de celulares. O patamar recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para achatar a curva da Covid-19 é de 70%.

Outra reportagem de VEJA desta semana, mostra um dos dramas causados pela pandemia: a depressão decorrente do medo de infectar e do isolamento social.  Um recente levantamento realizado pela Associação Americana de Psiquiatria mostrou que 36% dos cidadãos nos Estados Unidos sofreram impactos, na forma de prostração severa e depressão — quadro só comparável ao dos dias e semanas posteriores aos ataques do 11 de Setembro.

No Brasil, o desconforto pode ser aferido pelo aumento das consultas virtuais com psicólogos e psicanalistas. O recurso eletrônico, deflagrado em 2018, ganhou tração com atendimentos feitos por Whats­App, Skype, FaceTime, Zoom etc. Desde o início de março a quantidade de profissionais cadastrados pelos conselhos da categoria e autorizados a atender a distância dobrou — já são quase 90 000. Na plataforma Psicologia Viva, de orientação virtual, com cerca de 4 000 profissionais registrados, o número de atendimentos quadruplicou durante a pandemia. Nos meses de março e abril, o termo “psicólogo on-line” bateu recorde de consultas no Google.

Ainda de acordo com os novos dados do Ministério da Saúde, 83.627 pacientes com Covid-19 estão em acompanhamento, 61.685 – equivalente a 39,6% – estão recuperadas e 1.880 óbitos estão em investigação. São Paulo continua a frente como o estado mais afetado pela infecção. São 44.411 casos e 3.608 óbitos. Em segundo lugar está o Rio de Janeiro com 16.929 casos e 1.653 mortos, Ceará com 15.879 casos e 1.062 óbitos, Pernambuco com 12.410 casos e 972 mortes e Amazonas com 11.925 casos e 962 mortes.

Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca