Número de infectados por coronavírus deve ser sete vezes maior, diz estudo


O número de infectados pelo coronavírus deve ser cerca de sete vezes maior em relação aquele registrado nas estatísticas oficiais. É o que aponta o resultado da etapa inicial do estudo Epicovid-19, primeira pesquisa nacional sobre a doença, realizada Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e divulgada nesta segunda-feira, 25.

De acordo com os dados coletados em 90 cidades, 760 mil pessoas teriam sido contaminadas e têm anticorpos para a doença, cerca de 1,4% da população somada desses municípios, número sete vezes maior do que o das estatísticas oficiais nessas localidades. Nessas cidades mora mais de 25% da população brasileira. A taxa pode variar de 1,3% a 1,6% pela margem de erro. Foram testados 25.025 moradores de 90 municípios, incluindo 21 capitais, entre os dias 14 e 21 de maio.

Na cidade de São Paulo, cerca de 3,1% da população já teria sido infectada e teria anticorpos na data da pesquisa. No Rio de Janeiro, a taxa é de 2,2%. As maiores taxas de infecção foram registradas em cidades do Norte, como Belém (15,1%) e Manaus (12,5%). A maior taxa entre as 90 cidades pesquisadas foi verificada em Breves, município com 103 mil habitantes, no Pará, com 24,8% deles contaminados, na estimativa.

A pesquisa verificou se as pessoas tinham anticorpos para a doença, ou seja, pode ser o caso de um infectado assintomático, ou quase isso. Nas estatísticas oficiais, são contados apenas casos confirmados, pessoas com sintomas evidentes da doença que foram testadas.


Com conteúdo Veja

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.