Na democracia, não há espaço para desrespeito a atos judiciais, diz Mello


'Recusa de aceitar o comando emergente dos atos sentenciais, sem justa razão, fere o próprio núcleo da separação de poderes', diz Mello

Por Robson Bonin

2 jun 2020, 01h24 - Publicado em 2 jun 2020, 01h17


No duro recado a Jair Bolsonaro e seus seguidores golpistas, Celso de Mello trata da importância do Judiciário e afirma que, no regime democrático, não há espaço para presidentes que se julgam acima da lei e que anunciam que não cumprirão uma decisão judicial da Suprema Corte, como fez Bolsonaro.

“No Estado Democrático de direito, por isso mesmo, não há espaço para o voluntário e arbitrário desrespeito ao cumprimento das decisões judiciais, pois a recusa de aceitar o comando emergente dos atos sentenciais, sem justa razão, fere o próprio núcleo conformador e legitimador da separação de poderes, que traduz postulado essencial inerente à organização do Estado no plano de nosso sistema constitucional, dogma fundamental esse que alguns insistem em ignorar”, diz Mello.

“Não constitui demasia relembrar, neste ponto, que a importância do Poder Judiciário, na estrutura institucional em que se organiza o aparelho de Estado, assume significativo relevo político, histórico e social, pois não há, na história das sociedades políticas, qualquer registro de um Povo que, despojado de juízes e Tribunais independentes, tenha,
ainda assim, conseguido preservar os seus direitos e conservar a sua própria liberdade”, segue o decano do Supremo.
Mello faz duras considerações sobre o comportamento do presidente da República e de seus apoiadores na decisão em que rejeitou o pedido de partidos de oposição para que o celular de Bolsonaro fosse apreendido no curso da investigação sobre a interferência presidencial na Polícia Federal.

Em tempos de aglomerações de aloprados com tochas e neonazistas com bandeiras da Ucrânia, o decano discorre sobre o papel dos juízes: “Em diversos momentos ao longo de minha atuação neste Alto Tribunal, que incumbe aos magistrados e Tribunais, notadamente aos Juízes da Corte Suprema do Brasil, o desempenho dos deveres que lhes são inerentes, entre os quais avultam, por seu inquestionável relevo, o de velar pela integridade dos direitos fundamentais de todas as pessoas, o de repelir condutas governamentais abusivas, o de conferir prevalência à essencial dignidade da pessoa humana, o de neutralizar qualquer ensaio de opressão estatal e o de impedir a captura do Estado e de suas instituições por agentes que desconhecem o significado da supremacia da Constituição e das leis da República”.

Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca