6 x 0 - Maioria no Supremo vota contra uso da TR para correção de créditos trabalhistas


A maioria dos ministros do STF votou contra a aplicação da Taxa Referencial para atualização de créditos trabalhistas decorrentes de condenações na Justiça do Trabalho. A TR foi aprovada pela reforma trabalhista em 2017, mas o TST tem usado o IPCA-E mais juros de 1% ao mês.

Até o momento, 6 dos 11 ministros votaram pelo uso da inflação medida pelo IPCA-E. Há variações entre os ministros, no entanto, quanto à forma dessa correção.

O relator, Gilmar Mendes, disse que o IPCA-E deve ser aplicado na fase pré-judicial, de acordos entre patrões e empregados; na fase judicial, seria usada a taxa de juros da Selic (atualmente menor que a inflação).

Acompanharam Gilmar Mendes os ministros Luís Roberto Barroso, Cármen Lúcia e Alexandre de Moraes — este último, porém, propôs efeito retroativo, de modo a corrigir também dívidas já fixadas em decisões judiciais. Gilmar Mendes quer a correção só para processos em curso.

Edson Fachin e Rosa Weber votaram pela correção somente pelo IPCA-E, sem efeito retroativo. Até o final do julgamento, os ministros devem fazer ajustes para chegar a um consenso sobre a forma de correção.

Pelo voto de Gilmar Mendes, acompanhado por todos, até o momento, a nova forma de correção valeria até que o Congresso aprovasse uma nova regra definitiva.

A TR, hoje zerada, foi questionada no Supremo por não repor a perda patrimonial.


Com conteúdo O Antagonista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca