Macau: MP investiga exonerações em série para barrar CPI contra prefeito Túlio Lemos


Redação

29/08/2020 | 11:44


“Investigar a exoneração por cinco vezes, de todos os cargos comissionados pela Prefeitura de Macau, como forma de angariar apoio dos vereadores, próximo a sessão de votação de abertura ou julgamento de CPI, contra o prefeito Túlio Lemos”. Esse é o objetivo de inquérito aberto pelo Ministério Público Estadual, na cidade de Macau, município da região salineira localizado a 185 quilômetros da capital do Rio Grande do Norte, Natal.

De acordo com a portaria 2020/0000289712, publicada nesse sábado, no Diário Oficial do Estado, o MP do RN, por intermédio da promotora de Justiça Isabel de Siqueira Menezes, cita o Procedimento Preparatório n° 113.2020.000126, que tem por objeto investigar a exoneração por cinco vezes, de todos os cargos comissionados pela Prefeitura de Macau, como forma de angariar apoio dos vereadores, próximo a sessão de votação de abertura ou julgamento de CPI, contra o prefeito Túlio Lemos.

Nos autos do procedimento, a promotora cita a necessidade de prosseguir na instrução do feito, a fim de colher maiores informações com vistas a descartar ou ajuizar a ação civil pública. Para tanto, pontuou como diligências iniciais a requisição à Presidência da Câmara Municipal de Macau esclarecimento sobre qual foi a conclusão de Comissão Especial de Inquérito (CEI), e que informe, ainda, “se no período de 2016 a 2017 foi aberto alguma CEI cujo objeto é a irregularidades na folha de pagamento de pessoal, encaminhando cópia do respectivo processo caso exista”.

À Prefeitura de Macau, deu prazo de 10 dias para remeter cópia das Portarias de exoneração datadas de 31/01/2017, esclarecendo quais foram as medidas de redução de gastos com pessoal adotadas antes das exonerações relacionadas na Portaria 23/20 de 31 de janeiro de 2020, tendo em vista que na referida Portaria consta apenas exoneração dos cargos comissionados, sendo omissa em relação a outras providências relacionadas à contenção de despesas com pessoal.

Além disso, a promotora de Justiça expediu ofício ao prefeito de Macau, com cópia para o secretário de Recursos Humanos, encaminhando a Recomendação em anexo e concedendo o prazo de 30 (trinta) dias para que informe quais foram as providências tomadas para o atendimento da recomendação, com envio da documentação comprobatória. “Caso transcorrido o prazo de 30 dias, contados a partir do recebimento da recomendação pela Prefeitura de Macau, sem resposta, oficiar à Prefeitura requisitando, no prazo de 15 dias úteis, informações sobre o cumprimento da recomendação.


Com conteúdo AgoraRN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca