Núcleo de desestatização do governo Bolsonaro se demite

TEMPO PERDIDO -  Salim Mattar: mal avaliado no Ministério da Economia Amanda Perobelli/Reuters

Há quase dois anos remando contra a maré num governo eleito com o discurso privatista — mas que, na verdade, pouco privatizou e ainda criará estatais –, o secretário de Desestatização, Salim Mattar, e o secretário de Desburocratização, Paulo Uebel, pediram as contas nesta terça.

Recentemente, Salim dizia a interlocutores ainda ter disposição para continuar tentando reduzir a estrutura de Estado, cumprindo a promessa de campanha de Jair Bolsonaro e defendendo bandeiras cada vez mais isoladas na Esplanada.

Salim dizia acreditar que até a privatização da Eletrobrás pudesse ser consumada neste ano. Ninguém no Congresso e no Planalto, porém, estava na canoa de Salim, que desde o início mostrou-se incapaz de construir bases políticas e buscar aliados aos seus projetos no Congresso.

O ex-secretário era visto no Parlamento como uma figura distante — para ser elegante. Com as mudanças no governo, Salim perdeu domínio sobre dois projetos importantes de desestatização, Os Correios e a EBC, sob o comando da pasta de Fábio Faria. Ao perceber a realidade, pediu demissão a Paulo Guedes.

Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca