Período de depósitos na conta de Queiroz coincide com compra de imóveis do clã Bolsonaro

Como Crusoé revelou, os depósitos em cheque feitos por Fabrício Queiroz e sua mulher na conta de Michele Bolsonaro ocorreram entre 2011 e 2018. No período, o ex-assessor movimentou em suas contas volume de recursos incompatível com seu salário.

valores coincidem com o período da expansão imobiliária do clã Bolsonaro. Só no caso de Flávio Bolsonaro, o MP suspeita que o hoje senador tenha lavado mais de R$ 2,3 milhões em imóveis e na compra de franquia da Kopenhagen.

Em 2012, enquanto o então assessor recebia quase R$ 600 mil em depósitos em suas contas, Flávio Bolsonaro e sua mulher Fernanda compraram, com cheques, dois imóveis em Copacabana. Esses imóveis, segundo os investigadores, foram declarados por valor inferior ao negociado no mercado.

O vendedor teria recebido do casal, além de R$ 310 mil em cheques, quase R$ 640 mil em espécie. E como se sabe os dois apartamentos foram vendidos cerca de 1 ano depois por quase R$ 1,2 milhão.

No mesmo 2012, Jair Bolsonaro adquiriu uma das casas que possui no Vivendas da Barra, por R$ 500 mil – valor também abaixo do mercado. Outra residência no mesmo condomínio foi comprada em 2009 e declarada por R$ 400 mil.

Para o MP, o esquema de rachadinha começou um ano antes (em 2008) e durou até 2018. Só nos três primeiros anos do suposto esquema, Flávio comprou 10 salas comerciais – por valor superior a R$ 2,6 milhões. Imóveis que foram vendidos ao fim do período por R$ 3,16 milhões.

A quebra do sigilo de Queiroz mostra também que, entre 2013 e 2015, quase R$ 1,5 milhão entraram na conta de Queiroz. E foi, justamente em 2015, que Flávio comprou a franquia da Kopenhagen num shopping do Rio. Franquia que, segundo o MP, teria lavado mais de R$ 1,6 milhão até 2018.

Vale lembrar que, em outubro de 2016, o PM Diego Sodré, amigo de Flávio, pagou o boleto R$ 16 mil referente à prestação de um apartamento adquirido por Flávio e Fernanda. Aliás, no período analisado pelo MP, Queiroz também pagou 116 boletos referentes a mensalidades escolares e planos de saúde da família do 01, num total de R$ 261 mil.

Com conteúdo O Antagonista

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca