Vindo da pobreza, ele conseguiu ser o primeiro presidente negro do Brasil


Filho do padeiro Sebastião de Sousa Peçanha e de Joaquina Anália de Sá Freire, Nilo Peçanha nasceu em 2 de outubro de 1867, em Campos, no Rio de Janeiro. Poucos poderiam imaginar que ele se tornaria um influente político e que até mesmo ocuparia o cargo de Presidente da República.

Nilo Peçanha teve uma infância humilde, vivida na periferia de sua cidade natal. Após completar seus estudos na capital do estado, deixou brevemente o Rio de Janeiro para formar-se, em 1887, na Faculdade de Direito de Recife.

Ao retornar ao Rio, exerceu as funções de advogado e jornalista, militando pela abolição da escravatura e pela república.

Com a mudança na forma de governo, da Monarquia para a República, foi eleito deputado da Assembleia Nacional Constituinte, pelo Partido Republicano, em 1890. Foi deputado estadual pelo Rio de Janeiro entre 1891 e 1903.

Casou-se com Ana de Castro Belisário Soares de Sousa, conhecida como “Anita”, descendente de famílias aristocráticas. O casamento contrariou os familiares da moça, já que Peçanha era visto por parte deles apenas como um homem pobre e “mulato”.

Em 1903, Peçanha elegeu-se presidente do estado do Rio de Janeiro (cargo equivalente ao de governador hoje em dia), tendo uma gestão bem avaliada.

Antes de concluir o mandato no Executivo fluminense, venceu as eleições para a Vice-presidência da República na chapa de Afonso Pena, em 1906. Com a morte de Pena, em 1909, assumiu a presidência do país, cargo que ocupou durante 17 meses.

Seu governo, cujo lema era “Paz e amor”, ficou conhecido pela criação do primeiro sistema nacional de escolas técnicas. Mas ficou também marcado pela crise na relação entre as oligarquias de São Paulo e Minas Gerais.

Ao longo de sua vida pública, foi alvo frequente de ofensas racistas veiculadas pela imprensa local, que o descrevia como “mulato” e atacava sua honra por meio de charges e piadas racistas. A elite o conhecia como “o mulato do Morro do Coco”. Tamanho preconceito fez com que Nilo recorresse até ao uso de maquiagens para ocultar sua negritude em fotografias.

O preconceito da época, que até hoje atinge o Brasil, fez o país apagar da memória e esquecer o primeiro presidente negro da História do país.


Com conteúdo Observatório 3° Setor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca