Brasil tem "caos" em plano de vacinação e brinca com vidas, diz New York Times


Nesta segunda-feira (14), a falta de planejamento do  governo Bolsonaro para montar um calendário de vacinação contra a Covid-19 ganhou as páginas de jornais internacionais. Em artigo, o norte-americano New York Times apontou os diversos problemas que levaram o antes famoso e renomado programa de imunização brasileiro a um estado de "caos" e que "brinca com vidas".

Entre os problemas apontados no artigo, estão as brigas políticas, que colocam em oposição vacinas que deveriam ser complementaras na batalha contra o vírus, a falta de um melhor planejamento, além do crescimento de um movimento antivacinas no país, que atualmente é o segundo no ranking de mortes causadas pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) no planeta, atrás apenas dos EUA.

"Eles estão brincando com vidas. Beira um crime", afirmou Denise Garrett, epidemiologista brasileira-americana do Sabin Vaccine Institute, em entrevista ao jornal. Ela foi uma das especialistas ouvidas pela reportagem, que apontaram para o "poder de imunização" do Brasil , que poderia auxiliar no controle da doença, mas que vem se perdendo em um mar de dificuldades.

O texto aponta ainda os momentos em que o presidente Bolsonaro minimizou os perigos da doença, ao chamá-la de "gripezinha" e ao criticar governadores que tentaram evitar a disseminação do vírus, além das dificuldades do Ministério da Saúde em conseguir acordos por vacinas que já começaram a ser ministradas em países como Reino Unido e EUA, exatamente pela falta de um planejamento prévio.

Outro ponto abordado é a batalha de Bolsonaro contra a "vacina chinesa" desenvolvida pela Sinovac e que conta com o apoio de João Doria, governador de São Paulo e rival político do presidente. Apostando apenas no imunizante desenvolvido pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, e que está atrasado no comparativo com outras vacinas , o Brasil acabou perdendo a chance de iniciar uma campanha de vacinação em massa.

Por fim, ainda de acordo com a publicação, quando os esforços para a aquisição de vacinas for superado, ainda haverá um problema a ser enfrentado: o crescimento de grupos antivacinas , que recebe o "apoio" de Bolsonaro sempre que declarações contrárias ao processo obrigatório de vacinação são proferidas por ele. "Isso encoraja os "antivaxxers" a se apresentarem antes do que deveriam. Eles têm poder e falam alto", finaliza a doutora Garrett.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca