Lula segue com chance de vitória no primeiro turno, mostra nova pesquisa

Lula (Foto: Ricardo Stuckert)

Se a eleição fosse hoje, o ex-presidente Lula (PT) teria chance de vencer no primeiro turno, segundo pesquisa da Quaest divulgada nesta quarta-feira, 9. Encomendada pela Genial Investimentos e registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a sondagem mostra o petista com 45% das intenções de voto, enquanto Jair Bolsonaro (PL) registra 23%. Na terceira colocação aparecem empatados o ex-juiz Sergio Moro (Podemos) e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), com 7% cada um. Na sequência, outro empate: o governador João Doria (PSDB) e o deputado André Janones (Avante) têm 2%. A senadora Simone Tebet (MDB) marcou 1%, e os demais pré-candidatos não pontuaram. Ou seja: Lula tem 3 pontos a mais do que a soma de seus rivais. A margem de erro é de dois pontos percentuais. 

A Quaest testou quatro cenários. Mesmo naqueles em que há redução do número de postulantes da chamada terceira via, Lula amealha mais apoio do que o conjunto de seus rivais. Pelo menos outros dois dados são positivos para o petista. A rejeição a ele é de 43%, bem inferior à de Bolsonaro (66%), Moro (62%) e Ciro (54%). O voto no ex-presidente também é mais consolidado. Dos que declaram voto em Lula, 74% dizem que a decisão é definitiva. Nos casos de Bolsonaro, Moro e Ciro, os percentuais são de, respectivamente, 65%, 38% e 30%. 

Candidato à reeleição, Bolsonaro continua com dificuldade para reduzir a rejeição a seu governo. A avaliação negativa se manteve estável, passando de 50% em janeiro para 51% em fevereiro. Ela caiu acima da margem de erro (de 48% para 42%) na região Centro-Oeste, mas subiu acima da margem de erro no Nordeste (56% para 61%) e no Norte (42% para 48%). 

Desde a implantação do Auxílio Brasil, programa que substituiu o Bolsa Família, o presidente espera recuperar popularidade entre aqueles que têm renda mensal de até dois salários mínimos. Até agora, suas esperanças foram frustradas. Nesse segmento, a avaliação negativa ao governo passou de 52% em janeiro para 57% em fevereiro. Em todas as faixas de renda, etárias e níveis de escolaridade, a reprovação à gestão supera com folga a aprovação. 

O mesmo acontece em relação ao enfrentamento dos problemas. No caso do combate à Covid-19, 65% reprovam a atuação do presidente, enquanto 32% aprovam. Quando o assunto é combate à inflação, a situação  é ainda pior: 80% reprovam e só 18% aprovam. Enquanto trava duelos imaginários e insiste em desatinos em diversas frentes, Bolsonaro tem sua reeleição ameaçada pelos problemas da vida real. 

Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca