BRIGA BOLSONARO X BEBIANNO É CASO PARA O PROCON


Josias de Souza 19/02/2019 17h00

Vieram à luz treze áudios de WhatsApp que compõem o arranca-rabo entre Jair Bolsonaro e Gustavo Bebianno. Todo brasileiro em dia com o Fisco deveria exigir seu dinheiro de volta. Então, você paga os salários da dupla, a internação no Albert Eienstein, o honorário dos médicos, a estrutura do gabinete ministerial, a conta dos celulares, você banca todo o custo do espetáculo e a briga foi só aquilo? Ninguém esperava por uma troca de socos. Entretanto, considerando-se a expressão dos adversários —um presidente da República e um ministro palaciano—, o mínimo que se exigia era uma ou outra frase de efeito, um raciocínio qualquer que compensasse o dinheiro investido. E nada! O que se vê são duas hipotéticas autoridades comportando-se como adolescentes inarticulados. A dupla troca farpas numa escalada oca. É como se o presidente e o auxiliar desejassem desperdiçar o tempo e o dinheiro da República numa exposição grotesca de sua própria mediocridade. Como se fosse pouco, havia no ringue um lutador invisível. A certa altura, Bebianno diz que Bolsonaro estava "envenenado", numa alusão a Carlos Bolsonaro, o filho-tuiteiro que frequentemente incendeia os miolos do pai-presidente. Ao final, você perguntará de si para si: a Bolsa de Valores caiu, os negócios do país foram suspensos, as reformas foram ameaçadas por conta desse espetáculo pobre? Ora, francamente! Se fosse possível levar os áudios à balança, não haveria neles nem um miligrama de interesse público. A nação está diante de um exemplo típico de propaganda enganosa. Espera-se que a Polícia Federal encontre o pus no fim desse túnel. Até lá, como a tolice e a mediocridade ainda não são causas para o impeachment, não resta senão recorrer ao Procon.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.