Nem Trump julga seguro aproximar-se de Bolsonaro na pandemia


Desprezo do governo pelo combate ao coronavírus leva presidente dos EUA a proibir a entrada de passageiros que estiveram no Brasil nos últimos 14 dias

Por Robson Bonin

24 maio 2020, 19h14 - Publicado em 24 maio 2020, 19h13

Enquanto Jair Bolsonaro come cachorro-quente, passeia de jet-ski e confraterniza com manifestantes golpistas, seu maior aliado, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu que era hora de proibir a entrada de brasileiros em solo americano. A grosso modo, aos olhos do presidente norte-americano, o convívio aberto com “amigo Bolsonaro” não é mais recomendável.
O motivo: o descontrole da pandemia no país, que já tem mais de 22.000 mortos e 360.000 infectados é prejudicial aos EUA, maior foco da pandemia no planeta.

A decisão foi divulgada há pouco, por meio de um decreto. Cidadãos não americanos que estiveram no Brasil pelos últimos 14 dias estão proibidos de ingressar nos EUA. A decisão é válida a partir da próxima sexta, 29 de maio.
“Hoje, o presidente tomou uma ação decisiva para proteger nosso país suspendendo a entrada de estrangeiros que estiveram no Brasil durante o período de 14 dias antes de buscarem admissão nos EUA… A ação vai ajudar a garantir que estrangeiros que estiveram no Brasil não se tornem uma fonte adicional de infecções em nosso país”, diz a Casa Branca.

Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca