O ministro Toffoli explicita o desgoverno


A repentina ida de Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal é mais um ato de uma ópera bufa da qual somos espectadores sob o risco de contaminação

Por Alberto Carlos Almeida

7 maio 2020, 18h19 - Publicado em 7 maio 2020, 15h49

Bolsonaro dispensou o cabo e o soldado para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF) e decidiu pressionar o presidente da corte acompanhado de empresários. Bolsonaro sabe que o STF deu autonomia a estados e municípios para decidirem sobre as políticas públicas de combate à pandemia, e que agora governadores e prefeitos caminham para decidir pelo lockdown. Bolsonaro tem medo desta medida, daí a ação intempestiva de ir ao STF e transmitir a reunião ao vivo sem que isso fosse combinado com Dias Toffoli.
O presidente do STF foi claro, ele disse que cabe ao Poder Executivo fazer tudo o que Bolsonaro foi demandar ao STF. É evidente que isso foi explicitar o desgoverno a que estamos submetidos.

Note-se que estamos na fase mais fácil do combate à pandemia e o governo Bolsonaro não sabe o que fazer. A fase mais fácil é caracterizada por medidas muito claras e conhecidas: isolamento social, eventualmente lockdown, higienização e uso de máscaras. A fase mais difícil e complicada estar por vir, que a lenta volta à vida normal, se é que isto será possível. Em suma, temos um governo incapaz de liderar o país no que diz respeito a medidas claras e consensuais, imagine então no momento seguinte quando será exigido modulação, sintonia fina, medidas incrementais e bem coordenadas.
Dias Toffoli sentiu falta do Ministro da Saúde na comitiva que Bolsonaro levou ao STF para lhe fazer a visita surpresa. Isso diz muito sobre a situação em que nos encontramos, e acerca do fato de nossas vidas e de nossos entes queridos estarem depositadas parcialmente nas mãos de Bolsonaro.


Com conteúdo Veja

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.