Não está para peixe


A determinação do STF mudou o centro de gravidade em Brasília

Por Ricardo Rangel

19 Jun 2020, 14h39 - Publicado em 19 Jun 2020, 06h00


A promessa de que os militares palacianos moderariam os arroubos autoritários do presidente frustrou-se há tempos. Deu-se o oposto: Bolsonaro radicalizou seus militares. São eles que conduzem a insana política de saúde, cooptam o Centrão para barrar o impeachment, intimidam o Supremo Tribunal Federal.

A adesão a Bolsonaro por parte dos palacianos foi tão despudorada que a sociedade entendeu que o risco de ruptura democrática era real e se organizou para impedi-la. Com o Congresso paralisado pelo Centrão e a Procuradoria-Geral da República ocupada por alguém cujos colegas chamam de “procurador-geral do Bolsonaro”, coube ao Supremo a tarefa de ser intolerante com a intolerância. E o fez com maestria: preparou-se e, em apenas 48 horas, ordenou prisões e operações de busca e apreen­são, quebrou sigilos bancários, negou habeas-corpus a Weintraub.

A determinação do Supremo mudou o centro de gravidade da política em Brasília. O governador do Distrito Federal, um dos mais próximos ao presidente, desmantelou acampamentos, proibiu manifestações, demitiu o subcomandante da PM que permitiu o ataque ao prédio do STF e anunciou que vai prender recalcitrantes. O procurador-geral Augusto Aras, em que pese sua proximidade com o presidente, foi quem pediu as ações contra o bolsonarismo radical.

Dias antes de ordenar as ações, o Supremo enviou Gilmar Mendes para uma visita “de cortesia” ao general Edson Pujol. O objetivo aparente era desfazer a narrativa bolsonarista de que o tribunal impede o governo de funcionar e quer “tomar o poder”, mas é provável que Gilmar tenha adiantado ao comandante do Exército as ações que estavam por vir. O simples fato de Pujol ter aceitado receber Gilmar é uma sinalização de que o Alto-Comando do Exército não endossa as declarações golpistas dos generais palacianos.

O governo ficou atordoado: em vez da costumeira agressividade, Bolsonaro respondeu com 48 horas de silêncio retumbante e, enfim, uma sequência de tuítes cautelosos. Mourão defendeu um “diálogo harmonioso” entre Executivo e Judiciário, e disse que há um “ruído de comunicação” a ser superado. Os generais palacianos permaneceram calados. Até os filhotes deram declarações conciliadoras. A única agressividade que o governo manteve foi intestina: brigou consigo mesmo, a ala militar tentando demitir o ministro da Educação, a ala olavo-­filial tentando dobrar a aposta e mantê-­lo no cargo. Mas o “acabou, porra!” acabou. Pelo menos por enquanto.

A investigação está na porta do Palácio do Planalto, e, pela ordem natural das coisas, deverá estar do lado de dentro em algumas semanas. Este é aquele momento em que quem está no governo se pergunta o que está fazendo lá, e olha com inveja para Sergio Moro e Mansueto Almeida, que, um por sorte, outro por juízo, abandonaram o barco antes do naufrágio. Governos são diferentes de navios: quando eles começam a afundar, os melhores quadros se vão e os ratos embarcam — a chegada do Centrão ao ministério não é coincidência.
O mar de Jair Bolsonaro não está para peixe.

Com conteúdo Veja

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.