Covid-19: Taxa de recuperados no Brasil é maior do que a mundial

Oito em cada dez pacientes que tiveram diagnóstico confirmado de coronavírus no Brasil se recuperaram da doença, o que coloca o país com um desempenho acima da taxa média mundial, que é de pouco mais de seis em cada dez pessoas superando o quadro de infecção (64%), segundo dados da universidade americana de medicina Johns Hopkins.

De acordo com a instituição, que monitora o quadro da Covid-19 em todo o mundo e cujos números são uma referência para os países, o Brasil tem 2.699.080 pacientes recuperados de um total de 3.359.570 contaminados (80%) – o número do Ministério da Saúde é um pouco diferente, com 2.554.159 recuperados para 3.407.354 infectados, o que dá um percentual de 75%.

Em escala global, o Brasil é seguido, em números absolutos de recuperados, pela Índia (1.977.779) e pelos Estados Unidos (1.865.580). Em todo o planeta, 13.943.312 pessoas superaram a doença.

Desde que o general Eduardo Pazuello assumiu como interino o cargo de ministro da Saúde, em maio deste ano, a pasta – com o apoio de outros órgãos do governo Jair Bolsonaro, como a Secom (Secretaria de Comunicação da Presidência da República) – passou a divulgar em seus boletins diários o número de pacientes que classifica como “curados”, em uma tentativa de diminuir o que consideram uma cobertura negativa da imprensa, com demasiada ênfase no total de mortos.

De acordo com o Ministério da Saúde, os “curados” são calculados a partir do registro de casos e óbitos que tiveram confirmação por Covid-19 e também os pacientes hospitalizados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), terminologia usada para classificar pacientes que desenvolvem sintomas da doença, mas não têm a confirmação por testes.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda como critério para classificar como recuperado o paciente que teve dois resultados negativos para o coronavírus com menos de um dia de intervalo ou, em casos leves, período após 14 dias da confirmação da infecção, O próprio ministério reconhece a escassez de testes no país para cumprir esses parâmetros, por isso, desenvolveu esse cálculo para identificar e isolar os casos novos dos que estão em recuperação ou estão em fase de remissão da doença.

Para os especialistas, é prematuro usar a expressão “curados” porque muitos pacientes apresentam sequelas da doença. “Não há uma publicação oficial que defina o critério de cura no Brasil. Considerar apenas a alta médica é insuficiente”, diz o infectologista Bruno Scarpellini. “Há relatos de recuperados que tiveram alteração de memória, dor de cabeça crônica, cansaço e diabetes. Será que podemos dizer que estão curados?”, diz. 

“A palavra cura ainda é precipitada por se tratar de uma doença nova, que pode apresentar características clínicas e laboratoriais tardias. Como estamos aprendendo com a doença, não dá para bater o martelo sobre o que significa a cura de fato”,  diz a médica Melissa Pardini, especialista em vigilância em saúde.


Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca