São Paulo recria magistério para formar assistente de professor


2.ago.2020 às 23h15

Laura Mattos

SÃO PAULO

Com a difícil missão de reverter a queda de interesse dos jovens brasileiros pela carreira de professor, o estado de São Paulo lançará em 2021 uma nova versão do magistério.
O curso se chamará Técnico em Educação e será uma das opções dos itinerários formativos oferecidos pelo novo ensino médio. O plano é que forme profissionais para diferentes funções nas escolas, como assistente de professor.

O antigo magistério também era uma das opções do ensino médio, que antes tinha outros nomes, como segundo grau ou colegial, a depender da época. A diferença é que formava professores, e não assistentes, do infantil e fundamental 1 (pré-escola e primário), sem a necessidade de diploma universitário.

Com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996, tornou-se obrigatório o curso superior de pedagogia, e o magistério foi sendo gradualmente extinto. Ao final de 2020, se encerra o prazo para que profissionais formados apenas no magistério possam trabalhar como professores.

Marco Fisbhen, diretor-executivo do Descomplica, plataforma de ensino a distância que aumentou de 100 para 180 a oferta de cursos de pós-graduação durante a pandemia, por causa do aumento da demanda . Folhapress/Gabriel Cabral

Tahis Carmo, professora de inglês do Colégio Português, em Cotia (SP), que está dando aulas virtuais para crianças de 2 a 8 anos durante a pandemia . Folhapress/Gabriel Cabral

O secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, afirmou à Folha que o Técnico em Educação será elaborado neste semestre, quando também se definirá quais escolas irão implementá-lo. Será criada uma Escola de Aplicação, espécie de projeto modelo, com o novo magistério, vinculada à Escola de Formação e Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (Efape) do governo paulista.

“O desinteresse dos jovens por essa carreira passa pela questão salarial, claro, mas também por outros fatores, como a falta de estímulo e os problemas de formação”, disse o secretário.

Katia Smole, do Conselho Estadual de Educação de São Paulo, considera que o Técnico em Educação, não previsto na lei do novo ensino médio, é um ponto forte do currículo paulista, do qual ela foi uma das redatoras.

Ela explicou que a ideia poderá ser apresentada ao Ministério da Educação e replicada em outros estados, a fim de se fortalecer nacionalmente o interesse na carreira de professor.

Smole citou uma pesquisa de 2018 da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) que revelou que, em dez anos, o número de jovens brasileiros de 15 anos que queriam se tornar professores havia despencado de 7,5% para apenas 2,4%

Com conteúdo Folha de São Paulo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca