Atraso na vacina de Oxford força governo a adotar a chinesa Coronavac


O anúncio de que o governo Bolsonaro fechou um acordo para comprar 46 milhões de doses, ao custo de 1,9 bilhão de reais, da vacina chinesa Coronavac tem como motivação o atraso na produção do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, Fiocruz e AstraZeneca. A vacina de Oxford, como é chamada, não deve ficar pronta este ano, segundo fontes disseram ao Radar Econômico. A suspensão dos testes em setembro e a dificuldade para retomar os experimentos nos Estados Unidos atrasaram o cronograma da AstraZeneca em 2 meses. Inicialmente, estava prevista para novembro ou dezembro o pedido para liberação emergencial da vacina. Isso deverá ser feito entre janeiro e fevereiro do próximo ano.

O atraso pressionou o governo federal, uma vez que o governador de São Paulo, João Doria, bradou o sucesso dos testes da Coronavac e o início da administração das doses no fim do próximo mês. Sem outra alternativa — uma vez que um acordo com a Pfizer não caminhou (a falta de transferência de tecnologia e o pequeno número de doses travaram o negócio) —, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, viu-se “obrigado” a fazer o acordo com o laboratório chinês Sinovac e com o Instituto Butantã, responsáveis pelo desenvolvimento da vacina.


Com conteúdo Veja

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca