Novo terminal portuário em Porto do Mangue é tema de reunião na FIERN


Projetos e ações para a construção de um terminal portuário para escoar a produção do estado, no município de Porto do Mangue, foram apresentados em encontro realizado, na tarde da última segunda-feira (30/11), na Casa da Indústria, entre o presidente do Sistema FIERN, Amaro Sales de Araújo, que recebeu a visita do deputado federal Benes Leocádio, do diretor do Grupo Bi Energia, Lucio Bomfim, e dos secretários estaduais Jaime Calado (Sedec/RN) e Gustavo Rosado (SIN/RN).  A ideia é ampliar o volume de itens exportados pelo Rio Grande do Norte, aumentar a competitividade do estado, atrair investidores e viabilizar a produção offshore de energias renováveis.

O presidente Amaro Sales enfatizou o potencial do Rio Grande do Norte e a necessidade de destravar gargalos, como o de escoamento da produção, e lembrou que o Mais RN, que recentemente ganhou versão digital, reúne uma gama de informações e estudos técnicos que podem subsidiar investidores interessados em empreender no Rio Grande do Norte. “O Mais RN não pertence mais a FIERN, passou a ser de toda sociedade. E, ao contemplar todas as matrizes de desenvolvimento econômico, oportunidades e desafios, o projeto dispõe de uma base sedimentada para orientar investidores e ações públicas em diversas áreas”, destacou.

O governo do estado, segundo afirmou o secretário de infraestrutura Gustavo Rosado, trabalha, por meio da SIN e da Sedec, para viabilizar o novo terminal portuário do Estado. A ideia é aproveitar uma falha geológica identificada no entorno do município de Porto do Mangue, no litoral Norte Potiguar, para a construção da estrutura que irá movimentar cargas de sal, fruticultura irrigada, minérios, além de atender a indústria petroleira e de energias renováveis offshore. Para isso, há em curso um projeto de cooperação técnica em parceria com a UFRN para levantar a viabilidade técnica, financeira e ambiental. “Este novo terminal poderá mudar ou dividir o eixo de desenvolvimento do estado”, disse.

Jaime Calado, secretário de desenvolvimento econômico, ponderou ainda que mais que um porto graneleiro, a proposta é também atender as demandas da indústria de petróleo e gás, energias eólica e solar da região. “É um projeto de um porto-indústria de petróleo e energias”, afirma. Para isso, foi criado Grupo de Trabalho com setores do governo, empresas e academia. Segundo o secretário, o estado tem ainda a vantagem de possuir mão de obra qualificada em setores estratégicos como Petróleo, Gás e Energias Renováveis, formada pelo SENAI/RN e CTGAS-ER.

O deputado Benes Leocádio também destacou a importância de atrair novos investidores e realizar parcerias público-privadas para a construção do equipamento de forma a viabilizar investimentos importantes para o estado.

Durante o encontro, o diretor da BI Energia – uma holding de empresas italiana e belga, que atuam em geração de energia renovável através de parques eólicos offshore, bem como na dragagem de portos -, Lúcio Bonfim, fez uma breve apresentação da empresa, que se propõe a ser a primeira empresa brasileira a implantar um Parque Eólico Offshore na costa brasileira.



Também participaram da reunião, o coordenador do MAIS RN, José Bezerra Marinho, e o assessor de Economia, Pedro Albuquerque.


Com conteúdo FIERN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca