Comitiva de Bolsonaro é alvo de ovos em leilão do Cedae

Comitiva de Bolsonaro é recebida com "ovadas" no leilão da Cedae, em São PauloImagem: Reprodução / TV Globo

A comitiva do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi hostilizada hoje ao chegar no prédio da Bolsa de Valores de São Paulo, B3, para o leilão de concessão da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro).

Ovos foram jogados em direção aos parlamentares Carla Zambelli (PSL-SP) e Helio Lopes (PSL-RJ). Os parlamentares não foram atingidos diretamente, mas os ovos que estouraram na parede respingaram em quem estava próximo.

Em imagens transmitidas pelo Jornal Hoje, da TV Globo, é possível ver que um dos homens que estava próximo aos parlamentares fica com a lateral esquerda do terno manchada.

Após a "chuva de ovos", a comitiva ingressou no prédio da B3 às pressas, para desviar dos ataques.

Manifestantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) fizeram um ato em frente ao prédio com cartazes contra a política do governo federal para o enfrentamento da pandemia da covid-19.

"Bolsonaro genocida" e "400 mil mortos" eram algumas das mensagens que estavam escritas em cartazes que os membros do MTST levantavam, junto com as bandeiras do movimento.

Na manhã de hoje o presidente Jair Bolsonaro participou de um encontro com empresárias, em um hotel localizado na zona sul de São Paulo.

Em imagens compartilhadas pela assessoria da Presidência é possível ver um grupo com cerca de 40 pessoas. A maioria delas — incluindo o presidente e a deputada federal Carla Zambelli — não usaram máscaras.


TJ do Rio manteve suspensão do leilão

O presidente do TJRJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), desembargador Carlos de Andrade Figueira, manteve o decreto que suspendeu o leilão de concessão da Cedae.

Figueira alegou que "impedir o Poder Legislativo de exercer em sua plenitude a autonomia de discutir as normas que entende necessárias ao regime social importa em ferir a democracia".

No entanto, ontem o governo do Rio de Janeiro informou que o processo licitatório de concessão dos serviços de distribuição de água e tratamento de esgoto da Cedae seria mantido.

A declaração foi feita mesmo após a decisão da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) de suspender o ato da gestão Executiva estadual.


Com conteúdo UOL

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.