Polo cloroquímico coloca RN de volta para o futuro

Prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra (SDD) em reunião com grupo de empresários (Foto: Divulgação)

Roda Viva – Tribuna do Norte – 300621

“Um grupo até pouco tempo atrás desconhecido da indústria química brasileira” – segundo o principal jornal econômico do Brasil, o Valor – fez renascer muitos sonhos que foram embalados, sobretudo nos últimos 44 anos, no nosso Rio Grande do Norte, desde que o presidente Ernesto Geisel criou um grupo interministerial formado por João Paulo dos Reis Veloso (Planejamento), Rangel Reis (Interior) , Shigeaki Ueki (Minas e Energia) e Ângelo Calmon de Sá (Indústria e Comércio) para realizar um projeto de desenvolvimento econômico no RN.

Agora, um grupo empresarial “desconhecido” trouxe a público um projeto ambicioso, que “nasceu há mais de duas décadas” com vistas a agregar valor ao sal marinho e a outros recursos naturais abundantes no RN, projeto que começa a ganhar contornos concretos e poderá atrair US$ 5 bilhões em investimento total para o Estado nos próximos anos, incorporando tudo que veio depois para o RN; da fábrica de barrilha à Refinaria Clara Camarão.

O plano de implantação de um Polo Cloroquímico, na região potiguar que compreende Mossoró e outros três municípios, finalmente conquistou os primeiros investidores, e parte agora para as fases de normatização, licenciamento e estudos de viabilidade técnica e econômica.

HISTÓRIA DE SONHOS

Benivaldo Azevedo, Secretário de Planejamento, em 1977, tem assistido – e participado – de muitas tentativas para o RN seguir esses caminhos do desenvolvimento trabalhando os seus recursos econômicos.

Ele guarda uma rica documentação, desde o que foi constituído o grupo de trabalho interministerial e – de longe – torce com cautela a favor de que a iniciativa anunciada em Mossoró por um consórcio formado pelas empresas Koyo Intership Trading, do Panamá, e TFB & Energy, vire realidade, no desenvolvimento de um abrangente projeto.

Projeto que numa primeira fase engloba a produção de cloro-soda e derivados, incluindo PVC; uma usina solar com 350 megawatts de potência e um terminal portuário, com investimentos da ordem de US$ 2.5 bilhões, na primeira fase.

O plano também é produzir barrilha, beneficiando-se da reserva de calcário do Estado, fertilizantes e outros produtos químicos.

Incluindo ainda a Refinaria Clara Camarão, em Guamaré.

Em grandes números, o polo cloroquímico poderá produzir 500 mil toneladas anuais de PVC, até 600 mil toneladas anuais de barrilha e 600 mil toneladas anuais de cloro-soda e seus derivados.

A expectativa é a oferta de sete mil empregos diretos.

Na tentativa de juntar o sal marinho a calcáreo e produzir barrilha (matéria prima de inúmeras utilidades, principalmente vidro), o RN esteve muito próximo de ter essa indústria funcionando, em Macau, a fábrica da Alcanorte que já estava virtualmente pronta, mas a empresa brasileira (estatal) rescindiu o contrato já acertado com o grupo holandês AKZO, detentor da patente e do know how industrial.

O argumento do então Presidente da Companhia Nacional de Álcalis/Alcanorte, estatal detentora do monopólio de produção e comercialização de barrilha (carbonato de sódio) no Brasil:

– “Temos de evitar uma nova invasão holandesa”.

A invasão holandesa não aconteceu, nem a fábrica da Alcanorte chegou a produzir, quando a privatização apareceu como salvação da lavoura.

Ficou o pior exemplo de todas as privatizações no Brasil, com um único pretendente (com atuação na indústria salineira), o grupo Fragoso Pires, já em estado pré-falimentar.

EXEMPLO ESCONDIDO

A privatização da CNA/Alcanorte é o pior exemplo em todos os programas de privatização no Brasil. Mas pouco se fala no caso. Nem os defensores do processo de privatização, nem muito menos os seus críticos.

O grupo Fragoso Pires, que havia assumido a Companhia Comércio e Navegação, há quase cem anos produzindo sal no RN, imaginou com a “compra” das estatais de barrilha, resolver os seus próprios problemas.

Enquanto o Governo, imaginava se livrar dos aportes necessários a conclusão da fábrica de Macau.

Com a privatização veio o fim do monopólio, que garantia o funcionamento da fábrica estatal, pela falta de concorrentes e definição dos preços, garantindo a cobertura dos custos aos usufrutuários do monopólio.

Resumo da ópera: O Brasil que se aproximava – com a Alcanorte – da auto suficiência já não produz barrilha. – A fábrica do RN não foi concluída e a de Cabo Frio fechou.

Isso deixa um enorme espaço, que o consórcio Koyo-TFB disse em Mossoró que pretende ocupar.

VOLTA PARA O FUTURO

Depois desses 44 anos se tem de creditar ao Grupo Interministerial nomeado por Geisel, pelo menos, um importante resultado alcançado: – a concepção da modelagem do próprio complexo industrial.

O Grupo Interministerial contou com o suporte do CTA, Tecnometal e Cetesb. E conseguiu produzir uma radiografia do potencial do RN, além de agregar o aproveitamento de scheelita, bromo, boro, cromo, cloro, magnésio líquido, magnésio metálico, potássio e barrilha, entre outros.

Benivaldo Azevedo, que acompanha nossa trajetória desde o começo, acredita que o novo projeto é “absolutamente rentável” pela listagem de produtos que podem ser fabricados aqui a preços competitivos.

E o evento de Mossoró, tem abrangência muito maior do que os limites dos municípios citados (mais Macau, Guamaré e Porto do Mangue). Um estado que não tem no momento um só grande projeto na área econômica e industrial pode ser despertado.

O Polo Cloroquímico, portanto, tem o mérito de colocar o nosso Rio Grande do Norte de volta para o futuro.


Com conteúdo TL

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Furto na rede elétrica deixa mais de 8,8 mil imóveis sem luz em Areia Branca

Três grupos mostram interesse no Leilão do Porto Ilha

Homem é encontrado morto com sinais de espancamento em Areia Branca